Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Chamusca

Página principal

Agenda de Eventos

II Encontro de Bibliotecas Itinerantes

    Heterónimos de Nós   Nos dias 27 e 28 de outubro irá realizar-se na Chamusca o II Encontro de Bibliotecas Itinerantes, sob o tema Heterónimos de Nós. Tal como o ...

Read more

Agenda de Eventos

Eh! Toiro 2017

    Festa Taurina   O Município da Chamusca e a Associação Eh! Toiro apresentam mais uma edição duma festa que se começa a consolidar como um espaço de afirmação de t...

Read more

Agenda de Eventos

A Biblioteca Vai ao Museu

        A Biblioteca Vai ao Museu . Edição 2017   O Museu Raúl da Bernarda em Alcobaça foi o escolhido para a visita anual de A Biblioteca vai ao Museu. Uma mostra ...

Read more

Agenda de Eventos

Património e Natureza na Chamusca

        No âmbito da programação das Jornadas Europeias do Património 2017   Património e Natureza é o tema das Jornadas Europeias do Património 2017 (JEP), que se ...

Read more

Notícias

Candidaturas Abertas para o Programa Por…

        Apoio ao Arrendamento . Porta 65    Estão abertas as candidaturas ao Programa Porta 65 Jovem de 14 de setembro, até às 18h00 do dia ...

Read more

Agenda

Mo Tu We Th Fr Sa Su
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930
  SEGUIR

Charneca e Campina . Ulme

Vila gémea da Chamusca, antiga sede de concelho, conserva ainda a Casa da Forca, onde estava instalada a Câmara e se fazia justiça. Ao longo da sua Ribeira, funcionaram até bem pouco tempo dezenas de moinhos... 

:: Resenha Histórica

 
Ulme, terra dos “Pinéus” muito antiga, segundo a lenda terá sido fundada por ULMA, um general romano ao serviço de César, enquanto que, outros autores acreditam que tenha a sua origem numa colónia alemã da cidade de Ulm (cidade onde nasceu Albert Einstein em 1879). No entanto, pelos vestígios encontrados no local, tudo aponta para que o seu povoamento seja muito anterior a esse evento.
Em todo o caso, Ulme pertenceu desde o séc. XV à casa dos Silvas, senhores de Vila Nova de Foz-coa e Mação, tendo passado após a revolução de 1640 para a Casa da Rainha D. Luísa de Gusmão, cujo paço hoje apenas é conhecido pela toponímia. Foi elevada a vila por Carta de 18/02/1561 no reinado de D. Sebastião e regência de D. Catarina, teve Câmara extinta por decreto de 24/10/1855. No censo de 1527, Ulme e seu limite era uma das localidades mais povoadas no limite de Santarém, pois contava com um total de cerca de 950 habitantes ai residentes. Por Ulme passou D. João I e D. Nuno Álvares Pereira, quando da luta pela nossa independência, D. Sebastião também por aqui passou e pernoi­tou algumas vezes...
 
:: Ulme, Vila de tradições antigas...
 
O tecido urbano na parte mais antiga da vila, a que os “Pinéus” dizem, “ir à vila”, com as suas calçadas de calhaus rolados tipicamente medievais mantém ainda a toponímia desse período: Rua Velha, do Moinho, do Paço e da Tanoeira. Existem ainda outros Lugares que são exemplos do seu medievalísmo: Quina, Vale dos Oleiros, Covões, Vale das Mós, Casta ou Crasta, Mesquita (lugar onde existiu uma antiga Capela ou Mesquita) Pai­poldro, Pocariça, Crespo (antiga aldeia), Vila de Rei (também antiga aldeia), etc... 
 
A vila é atravessada pela ribeira do mesmo nome (Ribeira de Ulme), cujas águas em tempos moveram azenhas, e são, hoje ainda, uma fonte de riqueza e tradição, já que é nas suas margens que se produz o arroz que fez parte da economia dos “PINÉUS”. 
 
Na sua situação geográfica existe uma simbiose quase perfeita de Planície e Montanha donde resultam características de aspectos originais na cultura e tradições. O seu clima é moderado, o ar é saudável e as suas águas puras que enchem as barragens onde anualmente se realizam alguns concursos de pesca, proporcionam ao visitante momentos de prazer ao mesmo tempo que o convidam ao repouso e á calma. 
 
Os seus edifícios são geralmente de um só andar, são caiados com barras de cores diferentes o que outrora indicava o seu proprietário.
 
:: O Arroz, as Mondas, as Mondadeiras
 
Saia de roda, de ganga ou de riscado; uma blusa de chita ou de riscado também; um avental de pano e meia com laços. Um lenço encarnado; às vezes, com calor, um chapéu de palha por cima. Canos nas pernas, geralmente escuros; pés descalços e enegrecidos. Duas ou três saias de baixo, recortadas, juntas à de cima e pregadas com alfinetes à volta de cada perna; a atar tudo, o nastro, espécie de cinta para ficar bem alto o conjunto. Nos braços, manguitos, de cotim ou de restos de meias velhas. No peito, a força da vida. Na voz, o cantar das mondadeiras. Nos olhos, a Ribeira. De Ulme, como elas são:
 
Somos um alegre rancho
Das mondadeiras de arroz
Que vem espalhando alegria
Com alegria na voz.
Teresa Cavazzini
 
Lá vão elas
Pela estrada de alcatrão,
Atraentes moças belas,
Onde brilha a sedução.
Lá vão elas,
Como a sina lhes propôs,
As donzelas,
Para a monda do arroz.
Custódio Mira
 
Agora as máquinas já fazem quase tudo: lavram, plantam, mondam, ceifam, debulham. No calor do Verão, quando é tempo de mondar, vêm os aviões que sobrevoam os arrozais e descarregam toneladas de produtos químicos. É assim que morre a erva. Foi assim que morreu o trabalho de mondar. Mas as mondadeiras estão vivas e falam com muita vida de um tempo, cada vez mais distante, que já não sabem bem se foi bom se mau. Porque era dura a vida e pesada a labuta. Porque abundava o trabalho e se contava sempre com a alegria e o conforto do rancho. 
 
Embora mondadeiras por designação, essas mulheres executavam praticamente todos os trabalhos da campanha do arroz, desde a preparação dos viveiros, no fim do Inverno, até à ceifa, pelo Outono dentro. 
 
:: Os Viveiros
 
Ficando a terra lavrada, no fim da safra anterior, o primeiro trabalho do ano era preparar os viveiros para o arroz, fazendo os canteiros e enchendo-os de água. O semeador era sempre um homem, que tinha de ser experimentado, mas antes de ele lançar as sementes era às mulheres e às raparigas que competia mexer com enxadas o fundo do canteiro para que o lodo levantasse de modo a cobrir a semente ao assentar. 
 
O arroz é planta que requer água em abundância e permanentemente renovada. É por isso que se cultiva nas margens das ribeiras e que se prepara a terra em canteiros, tirando partido da inclinação do terreno para que a água vá passando de uns para outros. Para isso, abrem-se sangrias nos cômoros, pequenas aberturas feitas à enxada, desencontradas de canteiro para canteiro de modo a fazer circular a água. 
 
Uma a duas semanas depois de semeado, o arroz nasce. Era então tempo de tirar toda a água da esquadra (assim se chama a uma série de canteiros ligados uns aos outros), para o arroz agarrar à terra. 
 
Ficando a descoberto, o arroz tornava-se presa fácil da passarada. Guardar os pardais, que é como quem diz guardar o arroz do estrago deles, era trabalho sobretudo de crianças. Aproveitavam os tempos livres da escola, as que a frequentavam, ou faltavam mesmo a ela, e desde antes do nascer do sol até noite escura iam batendo tampas de alumínio e gritando:
 
"Orrió, passarada, tu daqui não levas nada!" 
 
Durava três a quatro dias esta batalha entre a miudagem e os pardais - o tempo necessário para que o arroz agarrasse. Adubava-se então com amónio e deitava-se novamente água colocando nas sangrias um pouco de sulfato azul dentro de um bocado de saca, fazendo lembrar uma chucha das que então se davam com açúcar aos bebés quando choravam. Era a própria água, ao passar, que levava o sulfato para o canteiro, matando a lagarta branca, o infestante que antecedeu o actual lagostim nos canteiros de arroz.
 
Durante um mês o arroz crescia, até atingir um palmo de altura, ultrapassando o nível da água no canteiro, que tinha à volta de uma "mão-travessa". Estava então em condições de ser plantado.
 
:: A Plantação
 
Já o ano ia por Abril, Maio, o tempo a ficar mais quente, mais ao gosto do arroz. Era altura de todo o rancho se juntar para o apanhar dos viveiros e proceder à plantação em canteiros definitivos.
As mulheres apanhavam e faziam molhinhos que atavam com junco. Os homens andavam a encanteirar, isto é, a prepararem os canteiros para fazer o arrozal.
O transporte dos molhos desde o viveiro até ao local da plantação fazia-se em carro de bois. Para os apanhar pelos canteiros e uma vez que os carros lá não podiam entrar porque atascavam, usavam-se cestas ou então terlós uma espécie de barco de fundo raso que deslizava na lama do canteiro. As mulheres pegavam um eito, que geralmente apanhava o canteiro todo, e iam plantando às arrecuas, sempre da frente para trás.
Às vezes competiam umas com as outras. Quando alguma ficava para trás, as camaradas podiam carregar, maneira de dizer ajudar as atrasadas. Se calhasse, mesmo assim, uma delas ficar irremediavelmente atrasada, dizia-se, troçando que "aquela ficou numa horta". Daí o ditado, que as mondadeiras não esquecem: 
 
"Quem vai ao meio leva o seu e o alheio... 
Quem vai na ponta leva o que lhe faz conta."  
 
A plantação era sempre feita a três pés, três plantas de cada vez e, para ficar bem feita, cada conjunto deveria ter um palmo de terra livre a toda a volta. Em fins de Maio, se tudo corresse bem, estava pronta a plantação.
 
:: A Monda
 
Os cômoros dos canteiros do arroz, perpendiculares à ribeira, são desfeitos todos os anos, a seguir à ceifa. Mas as linhas, pequenos muros definidores da organização do espaço, paralelas à ribeira, mantêm inalteráveis. Ao contrário da plantação, a monda fazia-se de trás para a frente. As mondadeiras pegavam um eito e, sendo o arroz ainda pequeno, atiravam as ervas mondadas para o cômoro ou para a linha, conforme fosse mais perto. Se o arroz fosse já mais crescido, não dava para atirar as ervas. Nesse caso, cada mondadeira juntava as que ia mondando até fazer um molho que depois era passado, de mão em mão, até à linha mais próxima, para a esquerda ou para a direita. As ervas ficavam por cima dos cômoros e das linhas, a secar. Às vezes os meloeiros aproveitavam-nas para tapar os melões de forma a evitar que o sol os queimasse na força do Verão. 
 
A monda fazia-se com água pelo joelho, às vezes mesmo por cima dele. Daí as mondadeiras andarem descalças e trazerem as saias puxadas bem acima. Passar todo o dia em meio metro de água já fazia parte do quotidiano. O que atemorizava as mondadeiras era quando havia olheirões, zonas do canteiro onde a terra era menos consistente e, ao pisá-la, o corpo se enterrava pelo lodo adentro, ficando-se às vezes com água até ao peito. E depois havia os bichos: as cobras inofensivas mas com fama de malfazejas no imaginário popular, as sanguessugas que se agarravam às pernas, e por isso se usavam os canos, os bazarucos (bichos pretos com turquês que ferravam nos pés) e as camisolas - essas brancas e espalmadas mas que também tinham turquês e não se ficavam atrás na arte de ferrar. Ainda agora, trinta anos passados sobre os tempos em que andavam nos canteiros, as mondadeiras se arrepiam ao falar deste exército de impiedosos inimigos que permanentemente lhes ameaçavam as pernas e os pés.
 
Iguais riscos corriam os homens que, finda a monda, tratavam de adubar, com amónio, metidos nos canteiros aos dois e aos três, à ilharga uns dos outros, descalços e de calça arregaçada até ao joelho. 
 
:: A Ceifa
 
O tempo da ceifa do arroz é pelos fins de Setembro. Uma semana antes tirava-se toda a água dos canteiros para se poder ceifar em seco.
 
Ceifava-se em rancho, mulheres e homens indistintamente. Ia-se ceifando e deixando ficar o arroz às paveias, por cima do restolho, para secar. Dois ou três dias depois vinham atá-lo: as mulheres juntavam-no, abrindo e fechando os braços para apanhar e fazer o molho, deixando-o em cima do vincelho, que é como se chama o baraço com que se vai atar o feixe; os homens seguiam atrás, para atar e pôr na linha.
 
Depois passava um carro de bois a recolher os molhos. Para o carro poder passar, cortavam-se os cômoros à medida do rodado. Se o terreno estivesse a atolar, então eram as mulheres que juntavam os molhos, levando-os para sítio seguro onde colocavam um panal no chão e faziam uma cabula - um grande monte de feixes. 
 
:: A Debulha
 
Transportado para as eiras, o arroz era posto em várias cabulas. 
Para debulhar o arroz malhava-se, com mangual, ou, nas casas mais ricas, usava-se a debulhadora que funcionava a locomóvel. Malhado ou debulhado, o arroz ficava sempre com casca, seguindo, por isso, para as fábricas para descascar. Embora fosse proibido, havia alguns moinhos de água no Concelho que faziam esse trabalho.
Só depois de descascado o arroz estava em condições de ir dar ao prato de cada um. E bem poucos sabiam então, ao saboreá-lo, as voltas que o mundo dera e os sacrifícios que tinha sido necessário suportar para se chegar àqueles baguinhos brancos.
 
:: As Azenhas e os Moinhos... Águas Passadas... Um Ciclo que se Fechou
 
Chegaram a ser mais de cinquenta, distribuídos por todas as principais ribeiras do Concelho. Foram um dos símbolos de uma economia rural, centrada nos casais, em que a água se aproveitava de maneira integrada e racional, servindo para uma enorme variedade de utilizações sem que nunca se pusessem em causa a sua qualidade ou a sua quantidade. São testemunhos de um tempo em que, para grande parte dos trabalhadores da terra, os limites do mundo praticamente coincidiam com as estremas da propriedade onde nasciam, cresciam e levavam quase toda a sua existência. Mas o mundo, no seu rodar permanente, deu entretanto muitas voltas e mudou a face às coisas e à vida. E os moinhos, como tantos outros equipamentos que os homens inventaram ao longo de muitos séculos de relação com a terra e com a água, foram sucumbindo aos progressos da industrialização e às alterações sofridas pelas estruturas sociais e económicas que os geraram e em que faziam falta e sentido.
 
E assim, depois da II Guerra Mundial e especialmente do meio dos anos 60 para cá, a mecanização maciça do trabalho agrícola, a substituição de culturas e as alterações na estrutura fundiária e nas relações sociais ditaram a decadência do ofício de moleiro e o encerramento, um após outro, de todos os moinhos existentes.
Alguns resistiram um pouco mais, sobretudo devido à persistência dos moleiros que dificilmente admitiam mudar de vida e foram ficando até ao limite das forças, às vezes mesmo para além do limite dos ganhos. O último parou no Verão de 1994, na Ribeira de Ulme. Ao fechar a porta do moinho da Laranjeira, em finais de Agosto de 1994, o Sr. José Abreu, moleiro uma vida inteira, provavelmente sem o saber, estava a fazer o último gesto, encerrando um ciclo de muitos séculos que seguramente nunca mais será reaberto.
 
:: Exposição "A ÁGUA - Moinhos e Azenhas"
   Antigos Moinhos e Azenhas no Concelho da Chamusca...
 
Consulte no documento abaixo disponibilizado, o mapa dos Antigos Moinhos e Azenhas no concelho da Chamusca, entre os quais, podemos aqui destacar, os que foram outrora edificados na Ribeira de Ulme. Este documento ilustra um quadro anexo da Exposição "A Água", que esteve patente no Núcleo Museológico da Água, em Vale de Cavalos, numa exposição patrocinada pela Câmara Municpal de Chamusca em Março de 2001.
 
Azenhas e Moinhos no Concelho da Chamusca - Março 2001
 
Moinhos outrora existentes na Ribeira de Ulme: MOINHO DO CASAL NOVO; MOINHO DA FAVA; MOINHOLA DA FAVA; MOINHO DO SEMIDEIRO; MOINHO DO CASALINHO (1º); MOINHO DO CASALINHO (2º); MOINHO DA CASCALHEIRA DE BAIXO; MOINHO DA ESTAÇÃO; MOINHO DA LARANJEIRA DE CIMA; MOINHO DAS BALSAS; MOINHO DE PAIRES; MOINHO DE FAMÃO; MOINHO DA RAINHA; MOINHO DO MEIO; MOINHO DAS FIGUEIRAS; MOINHO DO PINHÃO; MOINHO DA LARANJEIRA DE BAIXO; MOINHO DO CARREGAL.
 
:: Locais a visitar...
 
   > Ulme
 
A Igreja Paroquial de Santa Maria, datada de 1424. Foi parcialmente destruída pelo terramoto de 1755 e sobre cujas ruínas se ergueu a actual igreja. Nela encontramos algumas imagens antigas como a de S. Bartolomeu, inscrições Medievais e algumas Estelas Funerárias, conjunto de peças importantes integradas nas Estelas Funerárias Medievais Mediterrânicas;
 
Antigo Paço da Rainha conserva apenas a toponímia, e certamente o testemunho de que em tempos aí se situava uma casa senhorial ou real onde pernoitavam os reis ou nobres ( D. João Mestre de Avis, D. Nuno Álvares Pereira e D. Sebastião);
 
Alto de Santa Marta, onde, segundo alguns historiadores, existiu uma torre de vigia no tempo dos romanos. Hoje apenas são visíveis vestígios da antiga Capela de Santa Marta. Deste alto pode-se também apreciar uma bela vista até Santarém;
Figura Fálica: Esta figura encontra-se ligada ao culto fálico - conjunto de rituais celebrados na antiguidade, ligados às culturas agrárias e à caça invocando a fertilidade.
 
Ermida de Nossa Senhora da Conceição, situada a 2 quilómetros, é um lugar antigo de romagem em Quinta-Feira de Ascensão;
 
A freguesia é ainda contemplada com um bonito vale onde passa a Ribeira de Ulme, onde o Sr. pescador poderá passar algumas horas de prazer.
  
 > Semideiro 
 
No Semideiro existe uma capela da Nossa Senhora da Luz, contrução do séc. XVII, onde anualmente se realiza a Procissão e Festa da Lagartixa, homenagem à única companhia que o homem tinha na Mata de Bretovel. 
 
Localizar no Mapa...
Para mais informações contacte...
Câmara Municipal de Chamusca - Posto de Turismo
Rua Direita de S. Pedro - 2140-098 Chamusca - Tel. 249 769 100 - Fax 249 760 211
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
 
 
 
 
 
 
Ler 5621 vezes Modificado em quinta, 15 outubro 2015 16:08

Contactos Úteis

  • Serviços Municípais

  • Juntas e União de Freguesias

  • Ensino Público

  • Farmácias

  • Segurança Pública

  • Saúde e Ação Social

  • Gabinete de Inserção Profissional

    Morada: Rua Anselmo de Andrade, nº 53

    2140-081 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 608

    Fax: +351 249 769 309

  • Biblioteca Municipal Ruy Gomes da Silva

    Morada: Largo Vasco da Gama

    2140  Chamusca - Portugal

    Site: http://bmc.cm-chamusca.pt/

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 108

     

     

  • Gabinete de Apoio ao Consumidor

    Morada: Rua Anselmo de Andrade, n.º 53

    2140-081 Chamusca - Portugal

    Email: apoio.consumidor@cm-chamusca.pt 

    Telefone: +351 249 760 677 

    Fax: +351 249 769 309

  • Gabinete de Desporto - Piscina Municipal

    Morada: Tv. António Severiano de Seixas

    2140-146 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 100

    Fax: +351 249 760 211

  • Serviço de Informática

    Morada: Rua Sousa Girão n.º 7

    2140-140 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 100

     

     

  • Centro de Apoio a Empresas

    Morada: Rua Anselmo de Andrade, nº 53

    2140-081 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 300

    Fax: +351 249 769 309

     

  • Gabinete de Proteção Civil Municipal

    Morada: Largo da República (B.V.C)

    2140-133 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 760 229

    Fax: +351 249 760 700

  • Centro de Inclusão Social da Chamusca

    Morada: Rua Sousa Girão, n.º 18

    2140-141 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 600

     

  • Serviço de Apoio ao Munícipe

    Morada: Rua Direita de S. Pedro 

    2140-098 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 100

    Fax: +351 249 760 211

  • Junta de Freguesia de Carregueira

    Morada: Rua Direita, 80

    2140-665 Carregueira - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

    Telefone: +351 249 740 244

    Fax: +351 249 741 053

  • Junta de Freguesia de Vale de Cavalos

    Morada: Rua Junta de Freguesia, nº 17

    2140-405 Vale de Cavalos - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 780 167

    Fax: +351 249 780 086

  • União de Freguesia de Parreira e Chouto

    Morada: Bairro Novo, 28 - Parreira

    2140-519 Parreira - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 771 051

    Fax: +351 249 771 612

  • Junta de Freguesia de Ulme

    Morada: Rua Viriato Cabreira, 21 - Ulme

    2140-383 Ulme - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 770 284

    Fax: +351 249 770 344

  • União Freg. Chamusca e Pinheiro Grande

    Morada: Largo Conde Ferreira - Chamusca

    2140-069 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 760 074

    Fax: +351 249 760 679

  • Escola Básica do 1º Ciclo da Carregueira

    Morada: Rua Casal da Amendoeira

    2140-674 Carregueira - Portugal

    Telefone: +351 249 741 248

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Escola Básica do 1º Ciclo da Chamusca

    Morada: Rua Heróis da Res. Anti-Fascista

    2140-133 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 761 413

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Escola Básica do 1º Ciclo da Parreira

    Morada: Rua 1.º de Dezembro

    2140-512 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 771 211

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Escola Básica do 1º Ciclo do Chouto

    Morada: Travessa das Escolas

    2140 Chouto - Portugal

    Telefone: +351 249 771 655

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Escola Básica do 1º Ciclo de Ulme

    Morada: Rua do Chafariz

    2140-374 Ulme - Portugal

    Telefone: +351 249 770 277

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Escola Básica do 1º Ciclo Vale de Cavalos

    Morada: Rua da Fonte

    2140-410 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 780 410

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • Farmácia São Pedro

    Morada: Rua Direita S. Pedro 127, Chamusca

    2140-098 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 760 378

  • Farmácia Joaquim Maria Cabeça

    Morada: Largo João Deus 14, Chamusca

    2140-076 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 760 299

    Fax: +351 249 761 067

  • Proteção Civil da Chamusca

    Larqo da República, 3 (junto aos B.V.C)

    2140-133 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 760 229 / 249 769 105

    Fax: +351 249 760 700

  • GNR - Posto Territorial de Chamusca

    Morada: Avenida Dr. Carlos Amaro

    2140-054 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 030

    Fax: +351 249 769 031

  • Bombeiros Voluntários da Chamusca

    Morada: Larqo da República, 3

    2140-133 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: +351 249 769 220

    Fax: +351 249 769 229

  • Santa Casa da Misericórdia da Chamusca

    Morada: Rua Engº João P Rolim - Casal do Pereiro

    2140-015 Chamusca - Portugal

    E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefones: +351 249 769 080

    Fax: +351 249 769 089

  • Segurança Social da Chamusca

    Morada: Rua Mascarenhas Pedroso, 8

    2140-133 Chamusca - Portugal

    Telefone: +351 249 760 403

    Fax: +351 249 761 004

  • Centro de Saúde da Chamusca

    Morada: Largo Sacadura Cabral - Chamusca

    2140-078 Chamusca - Portugal

    Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefones: +351 249 769 170 / 172

    Fax: +351 249 760 709