Saltar para o conteúdo principal
Lido 7728 vezes
Modificado em terça-feira, 12 novembro 2019 15:30
Publicado em Ponte da Chamusca

Ponte da Chamusca

Uma importante obra realizada no Concelho durante o século passado

A construção da ponte da Chamusca, em 1908 - 1909, que contribuiria decisivamente para o desenvolvimento de toda a região, foi sem dúvida uma das mais importantes obras realizadas no Concelho durante o século passado. A facilidade e a enorme rapidez de transporte entre as duas margens do Tejo que a ponte veio permitir não tinham qualquer paralelo com o serviço proporcionado pelas barcas de passagem que foram abandonadas. A esta grande obra fica para sempre associado o nome do Dr. João Joaquim Isidro dos Reis que fez da construção da ponte da Chamusca uma das principais batalhas da sua vida.

 

 

Quem foi o Dr. João Joaquim Isidro dos Reis

Nasceu nesta vila da Chamusca, a 4 de Dezembro de 1849, num edifício da Rua Direita de S. Pedro, Nº 45, filho do Sr. Joaquim Isidro dos Reis e da Sr.ª D. Mariana Tiburcio dos Reis.
Entrando em 1871 para a Universidade de Coimbra, onde frequentou o curso de direito, tendo-o concluído com distinção em 20 de Junho de 1876.


Entrou na vida pública, a 19 de Agosto de 1878 com a nomeação de amanuense da Direcção Geral dos Proprios Nacionaes, em 20 de Novembro de 1879 foi promovido a segundo oficial, secretário do Sr. Conselheiro José Luciano de Castro, Director Geral em 30 de Outubro de 1886.


Foi deputado por: Tomar em 1880-1881, 1887 (2º), 1888-1889; por Santarém, em 1890-1893; pela Golegã, em 1897 (2º), 1898-1899.

 

 

A 20 de Dezembro de 1888, foi promovido do lugar de primeiro-oficial a chefe de Repartição da Direcção Geral dos Proprios Nacionaes, do Ministério dos Negócios da Fazenda.


Dos cargos mais importantes foi ainda: Vogal do Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro do Estado, Vogal do Conselho Superior de Agricultura, participou numa comissão encarregada de proceder à revisão do alistamento do pessoal da inspecção dos impostos, integrou uma comissão para remodelar os serviços de Administração da Fazenda Pública, foi Governador Civil do Distrito de Santarém.

Faleceu na sua Quinta dos Arneiros no Pinheiro Grande, a 17 de Agosto de 1924, os seu restos mortais encontram-se num jazigo de família no cemitério do Alto de S. João em Lisboa, longe da sua terra, que tanto amou e pela qual tanto fez! Assim o depreendemos, pelas suas palavras, em cartas a seu sobrinho Dr. Benjamim P. d'Amaral Netto e seu cunhado Dr. José Félix Pereira.

 

O que fez pela sua terra natal

A 31 de Agosto de 1875 a Chamusca perde a sua autonomia comarcã e foi transferida a sua sede para a Golegã, insucesso político com o qual nunca se conformou. Já em 1879, estando no poder o partido progressista do qual fazia parte o Dr. João Joaquim Isidro dos Reis, intercedeu junto do governo, para que fosse criada a comarca da Chamusca, ou lhe fizessem a Ponte sobre o Tejo, alegando que a sua situação política seria insustentável, se não lhe dessem um destes melhoramentos.

 

A 10 de Maio de 1889, o Dr. João Joaquim Isidro dos Reis acompanhado pelos representantes das Câmaras de Torres Novas e Golegã, vai a Lisboa pedir ao Sr. conselheiro José Luciano de Castro a construção da Ponte. Tendo o projecto sido aprovado pela Comissão das Obras Públicas da Câmara dos Pares e autorizada a sua construção em 1899.


Em 1900, no Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro do Estado, o Dr. Isidro interveio junto do então conselheiro, Sr. Eng. José Fernando de Sousa, para que no plano da rede complementar dos Caminhos de Ferro, entre o Mondego e o Tejo, se fizesse o ramal de Torres Novas à Golegã, no intuito de vir a servir a Chamusca, tirando proveito da construção da Ponte.


Na larga lista de benefícios que o concelho da Chamusca deve ao homenageado, constam entre outras, a fundação do Asilo Chamusquense para inválidos, que foi instalado num edifício cedido por si, a anexação do Mouchão dos Coelhos à freguesia de Vale de Cavalos, que por caprichos da política tinha sido anexado à Azinhaga, obras no prolongamento dos diques, da Senhora das Dôres e Pinheiro Grande, reparações nas estradas nº 16 e 17 com destino a Montargil e Abrantes, reparações nas igrejas do Chouto, Carregueira e Pinheiro Grande...

 

Citações do benemérito


« ... Nunca eu poderei sacrificar a minha terra, enquanto tiver alguma influência -  a nenhuma outra por mais importante que seja ...»

 

« ...e afirmando-lhes do fundo da minha alma, que sempre até ao último dia da minha vida, com o auxílio de Deus, pugnarei pelo engrandecimento da Chamusca que desejaria se tornasse, de futuro, numa das mais formosas e importantes povoações do nosso país ...»

 

 

 

 

 

 


 

voltar ao topo